CÓD.N05-S02-19 ONLINE

TRADUÇÃO E PLÁGIO ACADÊMICO: UMA RELAÇÃO ENCOBERTA PELA COMPETÊNCIA BILINGUE

Ao longo da trajetória histórica da tradução, percebe-se que esta atividade milenar resiste ao estigma de atividade secundária, ou ilegítima que inevitavelmente “trai” o original. Esta constatação está presente em inúmeros escritos filosóficos nos quais pairam a melancolia e a frustração pela impossibilidade de se atingir a tradução perfeita, a língua adâmica, como resultado de um castigo babélico, sempre pautado em um subjugo ao texto original. Contextos mais contemporâneos também atrelaram a tradução à condição de inferioridade ou de prejudicial à aprendizagem, a exemplo da história dos métodos de ensino de línguas estrangeiras onde proliferam ainda intensas críticas sobre o uso da tradução, em função de posicionamentos valorativos sobre a abordagem Grammar-Translation. A autonomização da disciplina científica Tradução ainda resistiu à subordinação estrita aos estudos linguísticos por décadas.  Entretanto, o contínuo avanço e desdobramentos dos Estudos da Tradução, elevaram-na ao respeitoso status de atividade mediadora intercultural no campo da Literatura e de responsável pela interlocução científica no âmbito das Especialidades. Holmes (1988) e Toury ([1988 – 1995]) ampliaram seu espectro de forma decisiva academicamente e em meio à trajetória evolutiva dos recursos tecnológicos, o trabalho do tradutor foi irreversivelmente redirecionado e redimensionado (Alcina 2008, Stupiello 2015). Neste cenário, apresentamos este estudo com o objetivo de iluminar uma circunstância inquietante do contexto acadêmico, no qual a tradução se manifesta como recurso subliminar ao plágio velado na construção de trabalhos produzidos por discentes que possuem maestria em uma língua estrangeira e que, recorrendo à competência tradutória, conseguem produzir formas eficazes de camuflagem de textos e ideias originais de outros autores sem a devida referência autoral. Assim, esta apresentação problematiza a utilização antiética da atividade tradutória como recurso pernicioso em trabalhos acadêmicos e reflete sobre os conceitos de paráfrase na tradução interlinguística (Jakobson 2003), plágio indireto (Krokoscz 2012 (a), 2015 (b)) e sobre a utilização de ferramentas tecnológicas de detecção. A metodologia utilizada consistiu na testagem de duas ferramentas antiplágio – Plagly  e Plagiarism Checker by Grammarly. Foram realizadas algumas experiências sistematizadas partindo da seleção de um parágrafo de um texto da Internet em língua inglesa publicado pela World Health Organization [WHO] o qual foi objeto de duas traduções “fiéis” para a língua portuguesa, com diferentes níveis de interferência: Nível de Manipulação Menor [NM-] e Nível de Manipulação Maior [NM+]; em seguida, foi realizada a submissão dos parágrafos traduzidos aos programas de detecção. Os resultados obtidos foram registrados e analisados trecho a trecho e de modo geral foram muito similares em relação à superfragmentação dos excertos e indicações de ausência de similaridade. Foi constatada a inacessibilidade da(s) fontes originais de onde, possivelmente, provém o plágio, em razão da incapacidade de programas de detecção em transpor a barreira intercódigos. Este estudo suscita reflexões no âmbito acadêmico e amplia as possibilidades de ocorrência do plágio para além das já conhecidas na literatura. Promove um estado de alerta àqueles que estão imbuídos da responsabilidade de analisar, avaliar e legitimar textos supostamente autorais produzidos por alunos na academia ou autores de artigos para publicação.

Palabras clave

paráfrase plágio tradução ética tradução interlinguística

Firmantes

Los autores de la ponencia

profile avatar

Silvia Helena Benchimol Barros

Ver Perfil


Preguntas y comentarios al autor/es

Hay 1 comentarios en esta ponencia

    • profile avatar

      Alessandra de Souza Santos

      2020-11-30 03:42:33

      Prezada Silvia, muito interessante a proposta do seu trabalho. Realmente é um ponto que deve ser considerado tanto nos processos de avaliação de textos quanto no desenvolvimento das ferramentas de detectores de plágio. Você já tentou esse mesmo procedimento com o i-Thenticate, que possui uma base grande em português?

      Responder


Deja tu comentario

Lo siento, debes estar conectado para publicar un comentario.